cotidiano, são paulo

Ostentação diante da pobreza deveria ser crime? Justificativas estranhas de Leonardo Sakamoto

O Sakamoto possui um dos blogs mais conhecidos do Brasil. Trata de notícias do cotidiano de forma organizada, opinativa e muito interessante.

Hoje ele escreveu sobre os arrastões nos restaurantes paulistanos, politizando o assunto.

Sakamoto diz: “‎Não defendo essa opcão, mas sabemos que, dessa forma, o jovem pode ajudar a família…” em outras palavras “não defendo, mas já defendendo…”. Vá ver qual é a porcentagem dos criminosos que ajudam a família com o dinheiro dos assaltos a restaurantes. Piegas achar que ele assalta para levar leite para a família. Piegas, mentiroso, deceptivo. Por que o outro, na mesma situação, não foi também assaltar?

Eu também sou do espírito karamazoviano de que “todos somos culpados por tudo”. Mas achar que um problema melhoria de alguma forma com uma atitude dessas? De que todos devemos abdicar da vida, um Tolstoi, um Ghandi? Vai bem de encontro com a vontade de poder. É a favor da moral dos ressentidos. Só falta ele achar que vai herdar os reinos dos céus por abdicar o reino da terra…

Comentários

Padrão

5 comentários em “Ostentação diante da pobreza deveria ser crime? Justificativas estranhas de Leonardo Sakamoto

  1. Concordo que essa atitude de defender a atitude dos criminosos não é a melhor para tentar entender o problema. Mas, no geral, achei o post bom.

    Acho que o problema não é exatamente “ostentação”. Essa ostentação sempre houve. O problema é jeito como os habitantes da cidade enxergam uns aos outros. E, também, como os habitantes enxergam suas posses (algo que ele comenta no final do post e que eu achei legal).

    Muita gente já sofre com a pobreza e acaba enxergando os ricos como inimigos porque eles se isolam no seu próprio mundo: carros blindados, prédios blindados, seguranças, enfim. Falta, na minha opinião, uma reaproximação entre as pessoas nessa sociedade.

    • Paulo Silveira disse:

      boa Luiz, também acho que ele acabou misturando as coisas. como vemos os objetos e materiais é um problema. mas ele poe tudo como se só estivessemos preocupados com o material. parece que em nenhum momento ele pensa que estamos pensando em nossos vidas.

    • Dalton Takeuchi disse:

      Concordo quando o Luiz Corte Real diz “Falta, na minha opinião, uma reaproximação entre as pessoas nessa sociedade.”

      Bom, na verdade, concordo em partes, porque “reaproximação” implicaria que a aproximação existia e deixou de existir.

      Enfim. Acredito que o ponto principal é a falta de união. E ao ler o post do Sakamoto, penso que essa é a opinião dele também. A relação ter-ser é importante também, mas nesse cenário, vejo ela de forma secundária.

  2. ““‎Não defendo essa opcão, mas sabemos que, dessa forma, o jovem pode ajudar a família…”

    O cara que fala uma coisa dessas é pior que o bandido. Primeiro que como vc falou não há nenhum robin hood aqui. E segundo e mais importante mesmo que esse fosse o caso “os fins NUNCA justificam os meios”. Acho que isso deveria ser uma verdade matemática assim como 2 + 2 = 4.

    Caso contrário temos que entender Hitler, pois ele tinha um fim nobre para a Alemanha. Quando os fins justificam os meios, qualquer atrocidade é justificável para um bem maior.

    A pessoa tem que ser muito estúpida ou diabólica, ou ambos, para achar que o caminho é esse.

  3. Sandro disse:

    Alguém se arrisca a contrariar um comunista?
    As vezes eu me arrisco…mas o estresse ´de debater com pessoas que sofreram lavagem cerebral é muito forte! Esses Sakamoto não é digno nem de um minuto de minha atenção, pois ele é tudo que existe de pior, não somente neste país, como também neste mundo.

Deixe uma resposta para Sergio Oliveira Jr. Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *